Monday, December 18, 2006


Tu que me rejeitaste, crê
Que eles me acariciam
E aquecem e sim, vicio-me
Nas suas palavras poeirentas
Mas sempre jovens e crê
Que um dia (quando for mesmo preciso)
Voltarei a saber chorar.

Thursday, December 07, 2006

Luz Oblíqua

Emergiste de um lago
Por entre as sombras e a luz oblíqua
Não podia ser de outra maneira

Palavras proferidas
Mortas à nascença

Como a poesia
Eu e tu ficámos no limbo

Desapareceste entre as árvores
Que cultivam o silêncio.


Monday, December 04, 2006


Candles are blown

Forty years ago
You steered away
From tropical lands
Straight towards the New Age

Tonight I drink alone
In a bar

We are together
In this boat called "Home".

Thursday, November 30, 2006


Writing down the scripts of dialogues to come
In the play into which I build my life
I realise they exorcise my lucky angels
Drowning me in pre-meditated scenarios
That never become true

I have thus found out
Through painful upsets
That the others never follow their cues.

Thursday, November 09, 2006

Jesuits and Jai Singh

Issue nr. 1 - Why was Jai Singh so interested in gazing at the stars? was there a hidden agenda or was he only looking for links to auspicious dates?

Issue nr. 2 - How far did the Jesuits influence the design of the Yantra Mandir Observatory in Jaipur? Was there really a scale model produced?

Issue nr. 3 - Where was the Jesuit's chapel in Jaipur? integrated in the Observatory? was it completely private?

Issue nr. 4 - Did the Jesuits try to convert anyone?

Issue nr. 5 - From Jai's court, who accompanied the Jesuit rector of Agra on the rajput's "scientific" mission to Portugal in 1727?

Friday, November 03, 2006

The Exotic West ("over there they are sleeping Baby"...)

Dear Madam,

We all fall into certain clichés (or interpretation processes) when we try to make sense of what we observe. I fall into that nostalgic and enchanted vision pertaining to the past-lovers, who try to evade certain pragmatical and economicist perceptions...and who are reasonably un-methodological in their approaches.

Therefore, answering to your suggestion, I perceived, through the window of my jesuit college, this image:

"Dear Madam,

Our ongoing research has led us to the cultural peculiarities of the East Indian Catholics, especially during the 19th cent. During the 1800s, the indo-portuguese catholics were "re-avaluated" by the british paranoia of classifying everyone into religion, caste and sub-caste. Some of these were not immediately thought of as "east indians" as had the catholics of Bombay island who worked for the british since 1665. Rather, they were thought as aboriginal and degenerate half-caste christians, neither here nor there, lost and confused souls.

They therefore noticed and registered many of these East Indians' cultural traits, especially the poorer ones of Salsete and other northern villages who had not yet flocked to Bombay island. Among the noticed peculiarities were dress, food, and so on.

However, during this same century, we see the goan priests of the padroado trying to preserve and save these catholics form re-entering Hinduism or flocking towards the vicar apostolic's jurisdiction.

The observations of both british and goans and east indians themselves might help us to establish patterns and continuities in these communities and understand better their present-day cultural values.

I hope this can be brought in towards a useful contribution for your project.

Best Regards"

Wednesday, September 06, 2006

Slow Local

Now they call this city "City of Dreams"
But its wanting in all the beautiful things
I came here searching for ruins
And the pretty young Indians
But riding the slow locals was my scene
And the filth down at the fort in Mahim
And all the ads for fairness cream
Or was it just a Bombay dream

Now my friend Saurabh's got a wife
He says: "The wife is the good life"
But I say there's too much hunger 'n' strife
I returned by train from Amravti
In between the toilets was a man with leprosy
I walked by - he curled up desperately.

Fevereiro 2006

Wednesday, August 16, 2006

Porto, 15 de Agosto

Hoje acordei a sentir-me um reformado e fui passear no 35 e no 78.
Comprei uma maçã num supermercado e comi-a a olhar para montras absolutamente inóspitas.
À tardinha, liguei ao meu colega para fazermos um banquete com uma garrafa de vinho e duas latas de atum.
Quando se pôs noite, tive vontade de ir arrastar o pé e a asa ali para os lados de Campanhã mas voltei calmamente para casa, concentrando-me para não pisar nos cagalhões que havia (e há) nos passeios.

Tuesday, July 11, 2006

Arquitectura Tradicional Indiana

Almoço no quintal


- um churrasco maravilhoso
- um telemóvel topo de gama com câmara (ele até dá vídeos)
- um corte de cabelo à moda antiga
- uma tesoura para cortar os pelos do nariz ("ah...fica tão mal, oh sidh...")
- fruta e hortaliça de Aguiar do Sousa, terra de boa gente
- e muito mais....

Até que o Albuquerque cantou afinadamente pela primeira vez desde de que me mudei para o 103 da Ant. Vasconcelos.

Friday, July 07, 2006

descendo deste plano virtual...

podem se desenterrar amizades...

Friday, June 23, 2006

Tuesday, June 13, 2006

Friday, June 09, 2006

Indian Natives of Bombay

Native Hindoo Natch Girls
“On special occasions, such as weddings or parties given in honour of a distinguished visitor, it is correct thing in native society to give a nátch, or dance.
[…] At one end of the room, upon the ground, are seated the nátch party, consisting usually of two girls and their attendant musicians, who may be three, four, or more in number, according to the status of the dancers.
The girls are amazingly arrayed in costumes of gorgeous hues, plentifully bespangled with gold, while anklets of tiny silver bells make a soft tinkling sound at every movement of their feet.
[…] A European has usually had as much of the performance in an hour as he can endure at one sitting, but it is a no uncommon thing for the natives to sit up the whole night […].”

in Coleman, F. M., Typical Pictures of Indian Natives Bombay: "Time of India" Office, and Thacker & Co. 1903

Tuesday, May 30, 2006

Indian Natives of Bombay

Native Water Mellon Seller

“This picture represents a woman of the Koolmbi caste, who is by no means to be confounded with a coolie. A very low caste woman would find but few purchasers for her wares, which, being edible, nobody would buy from a person whose social status was not considered sufficiently high.
[…] Although not a very cheap luxury, there are many varieties when in season, the mango ranking among the most expensive and best appreciated. Pineapples are plentiful, and oranges can be had all year round from Nasik or Nagpur. Apples, too, from Cabul, but only fit for puddings. Green figs, melons, pappiya, and bread-fruit are also to be bought in their respective seasons."

in Coleman, F. M., Typical Pictures of Indian Natives Bombay: "Time of India" Office, and Thacker & Co. 1903

Tuesday, May 23, 2006

Indian Natives of Bombay

Native Bhisti of Bombay

“A very useful man is the Bhisti, and, relatively speaking, a hardworking individual. He carries upon his hip the entire skin of a goat, the body and legs of which are sewn up, the neck only being left open. This is called a mussock, and it is with this utensil that he performs the many duties of his calling.
It might be supposed that for the purpose of carrying water from one place to another, a pail would be a more convenient article […]. There was once a planter who – being new to manners Eastern – thought to economise time and labour by providing his coolies with wheelbarrows, in place of the little baskets with which labourers customarily transport earth. On going to see what strides the sources of civilization had enabled them to make with their work, he found the coolies carrying the barrows on their heads […]."

in Coleman, F. M., Typical Pictures of Indian Natives Bombay: "Time of India" Office, and Thacker & Co. 1903

Monday, May 22, 2006

Indian Natives of Bombay

Native Parsee Girl

“Among the many strange costumes which attract the eye of a new comer, few appear so grotesque as that of the Parsee young lady, when at that stage of her existence which is prior to the assumption of her outer garment.
[…] Her jacket may be of cloth, or of cotton, or silk, according to the season, but is always cut in the same style, falling just below the waist.”

in Coleman, F. M., Typical Pictures of Indian Natives Bombay: "Time of India" Office, and Thacker & Co. 1903

Friday, May 19, 2006

Indian Natives of Bombay

Native Servants

“It has been said, with some amount of truth, that natives of India make excellent servants, but one of the qualifying conditions lies in the necessity of knowing how to manage them. […] For while a man always robs you over the monthly bazaar account to the utmost of his ability, he may be above suspicion – but this is not to be regarded as a certainty – in the matter of money or valuables entrusted to his care.
The number of servants in various households differs to a great extent, but the smallest bachelor establishments usually find it necessary to employ at least five persons, of which the butler, or ‘bootliar’ as the native has it, is the chief. It is he whose proud privilege it is to go each morning to the bazaar […]. As it is a matter of impossibility for Europeans to ascertain the actual prices of things sold in the bazaar, these never remaining the same for two days together, it may be imagined that the daily statement purchases opens out a wide field for enterprise on the part of the butler, of which he is not slow to take the fullest advantage.

The marketings cannot be undertaken without the aid of a coolie […]. The cook has a mate, be the household ever so small […].it is necessary to employ a hamal – a gentleman whose chief duty would appear to be, if may be judged by his actions, to flick the dust from one part of the room to the other, to mix up the paper’s on one’s desk in extricable confusion, and removing certain books from their places, to carefully replace them, bottom uppermost. […] The work of the bearer, or dressing boy, is to lay out your clothes in the morning, to put the studs in your shirt […]. He waits upon you at the table and considers that this and the task previously detailed constitute a day’s labour sufficiently arduous for any one man.
The syce, or groom, is a necessity in most bungalows, despite the advent of the bicycle .[…] The centre figure is the cook, a Goanese, as is also the dressing-boy in his rear – beside him being the hamal, the butler completing the list.”

in Coleman, F. M., Typical Pictures of Indian Natives Bombay: "Time of India" Office, and Thacker & Co. 1903

Thursday, May 11, 2006

Sir R.F.B. (1821-1890)

...before middle age, he had compressed into his life "more of study, more of hardship, and more of successful enterprise and adventure, than would have sufficed to fill up the existence of half a dozen ordinary men"...

Wednesday, May 10, 2006

O forte de Asserim (ca. 1630)

Friday, May 05, 2006

Bombaim Antes dos Ingleses

Aspecto de Bombaim ou Mombaim cerca de 1700

A Fronteira do Império...(Género Apocalypse Then)

"Folha 72

Quatro legoas de Manorá pelo sertão está a serra de Aserim como se vê; tem ao pé huma tranqueira com seu e 120 homens de prezidio; chamase este prezidio povoação Vamapor; comessando a subir pella serra athé hum passo q será meya legoa se pode hir em palanquim; chamase a este passo Salada, de onde está hum naiq com sinco ou seis soldados; daqui pª sima se vay a pé até outro passo q chamão Boa Esperança; e dahi à porta donde se vay por dentro da terra por huma escada lavrada ao picão, donde está o alçapão, no qual sítio vivem quatro ou sinco moradores; ali está a porta da fortaleza com muy grossos forrolhos, feita em hum muro com sua artelharia; aqui mora o porteiro da fortaleza donde não entra ninguém nem sahe sem licença do No cume desta serra está a povoação q constará de 150 vezinhos pª tomar armas. A altura desta serra he huma legoa; o cercuito da povoação he quasi circulo perfeito; e terá mil palmos de diâmetro; Vezinha com os mesmos de Manorá; na serra em sima há 13 passos de guarda; delles, sinco são principaes, convem a saber: da Porta; Elefante; Tarda [?]; Parabur [?]; e o das Vacas. Os soldados desta povoação são muy incertos porque quasi todos são homiziados; tem esta povoação 22 sisternas lavradas em pedra pretta e dous tanques; tem sempre em deposito 126 muras de tres candis casa mura; de batique [?] he arros por debulhar e com as munições necessárias sustentasse esta fortaleza pª freyo dos Reys q confinão com Baçaim.

Ao – 3000
De mantimtº pª dous cavallos – 210.600
Ao língua – 70.200
A hum trombetta – 70.200
A tres atabaleiros – 210.600
A hum barbeiro – 70.200
A hum fizico – 100.800
A hum maynato – 30.600
A hum ferreiro – 70.200
A hum carpintº - 40.320
A seis nafares – 430.200
A dous tocheiros com seu azeite – 100.800
A hum boy de sombreiro – 30.600
A hum naiq e dous peoes – 80.640
De quartel de sincoenta soldados – 5990.820
De seu mantimento – 4570.920
Ao do campo – 300
Ao porteiro – 190.270
Ao sobredondo [?] – 190.270
Ao meirinho – 190.170
A quatro peoes do meirinho – 140.400
Ao condestable – 190.170
Ao escrivão – 200
Ao vigairo – 600
A dous anadeiros [?] e 80 peoes – 2210.770
A mais tres nayques – 4530.600
A sincoenta peoes dos nayques – 2160

Soma tudo – 26170.240"

(do livro das fortalezas da India do Manuel de Herédia)

Tuesday, April 11, 2006

A Grande Novidade da Religião Cristã

A invenção do martírio

mártir: pessoa que sofreu tormentos ou a morte por sustentar a fé cristã;
por ext. aquele que sofre por causa das suas crenças ou opiniões;
pessoa que sofre muito; vítima.

sacrifício: oferta de vítimas ou de donativos à divindade, revestida de certo ritual, para expiação da culpa ou para implorar auxílio; imolação; sofrimento.

(Jesus compreendeu que o melhor método para converter era padecer de martírio. Só havia um senão...como explicar isto aos apóstolos? Não podia simplesmente entregar-se às autoridades romanas - corria o risco de passar por cobarde ou derrotista ou ainda de vacilação da fé. Isto podia deitar tudo a perder. Tinha de ser traído, denunciado. Pois assim como o martírio era essencial para a narrativa da religião, também a existência de um traidor era indispensável... O resto é história)

Wednesday, March 29, 2006

Who I Am

Europe and the East, Baby
That´s what I am
You, from a farm in Hesse
Embraced me

And somehow,
Made me feel sheltered.

Saturday, February 18, 2006

Anedotas Sobre Judeus

- "Ontem à noite vim cá...ela estava a ler um livro..."
- "Oh, estava a fingir...ela já não conseguia..."
- "Não sei, estive a olhar para ela com atenção, ela estava mesmo a ler...passava as páginas, sorria...via os seus olhos a companharem o texto.."
- "Ela já não conseguia ler há algum tempo, só que folheava os livros a fingir."


- "De qualquer modo, o engraçado é que se tratava de um livro de anedotas...anedotas sobre Judeus..."
- "Hmm.."
- "Dos anos setenta, acho eu...ainda deve estar por aqui...olha, acho que é este."
- "Ah...sim..."
- "Escrito por um Judeu também..."


- "Acho que não devia ter tirado a enciclopédia da estante com ela na sala..."
- "Oh...não penses nisso."
- "Não sei...esta estante...era como se fosse parte do seu ser, como um orgão vital..."
- "Ela já não se apercebia do que se passava à sua volta."
- "Talvez não...mas talvez ela sentisse esta estante..."


- "Talvez ela sentisse estes livros..."

Friday, February 17, 2006

The Consul Days - Brevíssimas do Noroeste de Karnataka

O Mário, motorista exímio do Cônsul, veio buscar-me às dez da manhã. Fomos ao meu banco na Universidade e depois voltamos a Panjim. Às onze estava a dizer “Bom dia, como está” ao Cônsul enquanto ele descia os degraus do consulado, substituindo o motorista no lugar do condutor. Sentou-se, não pôs o cinto, e arrancamos para Bijapur, a 360 km de Panjim, nos confins do estado de Karnataka.
A condução foi dificultada por camiões e autocarros vagarosos ou então que nos queriam fazer ultrapassagens impossíveis. O Cônsul enervava-se ao de leve e levantou o dedo do meio por duas ocasiões, mas a sua condução foi seguríssima. Quando começamos a negociar os Gates Ocidentais, encontramos um camião sem carga que seguia à nossa frente a um ritmo absolutamente louco. O Cônsul meteu o prego mais a fundo e seguimos no encalço do mastodonte. “Temos batedor”, proferi. “E audacioso”, repôs o Cônsul. Até Londa fizemos bons kilómetros, depois a estrada piorou. Demoramos a chegar a Belgaum e o Cônsul conduzia cada vez mais depressa, notando: “Epa, guiar à noite é que não”. Finalmente, paramos para almoçar num sítio relativamente fino. O Cônsul sacou de um bom vinho de Tolouse da sua reserva de campanha. Comemos bem e o Cônsul, como um verdadeiro Cônsul, fumou uma charutada, disse “Gostei deste sítio, hein?”, e deixou uma gorjeta descomunal.

Arrancamos às três e meia mas foi difícil encontrar a estrada para Bagalkot. E eis que a mesma estrada estava em péssimo estado, aliás, a ser renovada, donde seguíamos num estradão improvisado na berma, muito incerto e manhoso. O Cônsul começou com calma mas, à medida que a tarde se esvanecia, começou a assapar...cada vez mais e mais, até que eu fiquei lívido e só conseguia dizer: “Mais devagar, talvez, não acha...” Ao que ele respondia com o seu emblemático “hein?” de diplomata calejado e comentava: “Epa, conduzir à noite é que não”.
Ainda faltava metade dos kilómetros e já iam sendo cinco da tarde. E eis que começa a chover, ao que eu, já cansado de ir com o credo na boca, começava agora a remoer baixinho, soltando palavras desconexas: “...chuva....piso...buracos...camiões...perigo...” De vez em quando o carro atingia um buraco em cheio, ouvindo-se o estrondo do eixo a bater no piso, não sei quantas vezes me pareceu que o carro se ia desfazer.

Paramos para pôr gasolina e o maioral do posto, prestável, fez-nos um mapa para Bijapur. Continuamos à mesma velocidade alucinante pelos estradões até que encontramos uma estrada boa. Mas passados alguns kilómetros, a dita descambou para uma via em reparo, cheia de calhaus e completamente deserta...
Era agora noite por volta das oito...estávamos os dois no limiar de qualquer coisa muito má, mas lá seguíamos com diplomacia difícil – até que a estrada desaparece e á nossa frente surge uma ravina com um estreito caminho de cabras a descer pela encosta. Estarrecemos nos confins de Karnataka, completamente vencidos pela inclemência do nosso azar.
“Epa, agora é que isto complica, hein?” disse o Cônsul, a sua voz a fraquejar com exaustão. “ facto...” rematei.
Eram agora nove da noite escura. Por sorte apareceram dois camponeses, ao que perguntamos em desespero “Bijapur?”. Indicaram-nos para voltar atrás pela estrada e meter por um atalho. E assim, continuamos pela noite profunda da Índia, passando por aldeias escurecidas onde uma ou outra pessoa olhava para nós com surpresa e dó. Fomos perguntando e lá demos com o percurso...o Cônsul, agora já conformado com o seu desespero interior, mantinha as aparências patrióticas e um certo sentido de humor: “Grande aventura, hein?”

Entramos em Bijapur, pela zona do bazar, eram dez horas. Devido a um corte de energia, as ruas estavam escuras e impraticáveis, plenas de peões, rikshaws, gado, motos, etc....e ninguém sabia onde ficava o nosso hotel. Às buzinadelas fomos abrindo caminho por entre a agressividade dos locais. Num último esforço dilacerado, convencemos alguém a guiar-nos até ao hotel em troca de umas rupias. Quando chegámos ao destino, o carro fumegava e um pneu estava em baixo e não sei como é que o Cônsul e eu ainda estávamos vivos.

Jantamos e recolhemos. Só a muito custo conseguiu o Cônsul queixar-se das lastimáveis falhas do quarto e do serviço do hotel.

Na manhã seguinte, contactei o Taher em Goa e pedi-lhe para ligar para o seu colega em Bijapur. Quando chegámos ao Gol Gumbaz, o ex-líbris da cidade, aonde também se situava o escritório do A.S.I., lá estavam à nossa espera com o chazinho da praxe. Arranjaram-nos um guia medíocre (que provavelmente devia algum favor à instituição) e percorremos todas as atracções de Bijapur a bom ritmo. Aqui e acolá distribuíamos rupias para se abrirem algumas portas mais difíceis. Passamos pelo bairro muçulmano de rikshaw, almoçamos com cerveja e vodka e demos de comer ao guia. À tarde, combinamos com ele irmos juntos para as caves de Badami, o nosso destino do dia seguinte, a 80 k. de Bijapur. O Cônsul ofereceu-lhe uma quantia descomunal – por metade da mesma ele teria aceite. Assim, ficou a fazer salamaleques durante imenso tempo e começou a gabar para tudo e todos que era agora o guia oficial de um embaixador de uma potência europeia em missão oficial ao Karnataka - até que lhe chamei a atenção, dizendo que, por motivos de segurança, não convinha espalhar tais constatações.

Jantamos, o Cônsul e eu, num sítio recomendado pela bíblia como sendo o melhor restaurante de Bijapur mas que estava totalmente devastado e próximo da ruína. Parecia uma zona de guerra. O Cônsul pediu um whisky com gelo, ao que o empregado disse que não havia gelo. “Get some ice from a shop, I’ll pay some money”, ordenou o Cônsul. Ao que o empregado disse que o tempo que levaria a trazer o gelo causaria o seu derretimento. O Cônsul disse que mesmo assim queria gelo e que o dinheiro iria compensar tudo...o empregado estava agora confuso com tal determinação e chamou o patrão. O patrão ouviu o Cônsul e disse que não havia gelo disponível nem podia dispensar o empregado para ir buscar gelo porque estava com falta de pessoal e era hora de ponta no restaurante. O Cônsul considerou os canais diplomáticos e por fim desabafou “Epa, isto é um país de selvagens, não é? hein?”. Desistiu do gelo e bebeu o whisky com a soda morna.

Recolhemos ao nosso hotel igualmente deficiente em civilização.

No dia seguinte abalamos cedo com o Umesh no banco de trás. A estrada para Aihole revelou-se boa e com o guia a perguntar discretamente por direcções, não erramos no caminho. Vimos templos e esculturas em Aihole, Patadacá e Badami. Umesh não conseguia explicar o significado dos mesmos e proferia generalidades bojardadas do género “These temples architectures styles are the best in south india. Future generations will come here and see these beautiful temples architectures styles.” À entrada das caves de Badami, o Cônsul passou-lhe as mil rupias prá mão e disse (em Português) “Epa, vai-te embora, não sabes nada”. Ao que Umesh respondeu com um sorriso “I hope you come back to Bijapur soon sir because you are important person and I can be guide again and thank you sir and…” Ao que o Cônsul o mandou debandar.

À noite, ficamos num hotel “um furo acima”, como reparou o Cônsul. Jantamos com um vinho da sua reserva e conversamos um bocado perto da piscina sobre os cargos difíceis que existem nas missões diplomáticas portuguesas. O Cônsul confidenciou-me que não iria ter saudades da Índia e que, no fundo, era um “velho maniento” acostumado a bons charutos e à Praia das Maçãs.

Dia seguinte zarpamos cedo, ansiosos por voltar a Goa. Mais uma vez o Cônsul fez uma condução desportiva, embora um pouco mais cautelosa. As estradas estavam melhores e volvidas cinco horas, estávamos a almoçar em Molem, já do lado de Goa. Comemos um Prawn Curry com Garlic naan acompanhado da última garrafa da reserva de campanha. Fumou um charuto e ofereceu-me uma cigarrilha. “Grande périplo, hein?, diga lá, hein?”. Disse eu: “Você deve estar exausto, isto foi digno de um rally...”. Ao que o Cônsul respondeu por entre espessas fumaças: “Talvez, mas tive um óptimo co-piloto”.
Despedimo-nos à porta do consulado e seu motorista levou-me a casa no mesmo carro.

Mário veio o caminho todo moídinho por saber coisas da viagem, mas as instruções claras do Cônsul – não dirigir a primeira palavra aos passageiros – inibiam-no de falar. À porta do meu poiso, não aguentou e perguntou da mossa que estava mesmo a meio da frente da capota do motor.
Respondi-lhe que tínhamos atropelado um camponês Karnatakiano, mas que não houvera grandes danos e que tudo se tinha resolvido sem estrondo e com 500 rupias.

Monday, February 06, 2006

Um Dia na Vidinha do Cartógrafo


09:15 Rikshaw para Mount Poinsur
09:45 Encontro com o Pe. Franklim Mathias
10:00-11:00 Medição de elementos arquitectónicos do claustro
11:30-12:30 Desenho esquemático e fotografias das ruínas do convento
12:30-13:30 Almoço (trazido de casa do Sanjeev)
14:30-16:30 Levantamento esquemático do sacromonte. Chá com o Irmão Alphonse
16:30-17:00 Conversa com o Pe. Franklim Mathias
17:00 Regresso a casa do Sanjeev
18:00 Compra de Cds virgens
18:30-19:30 Internet etc.
21:00 Jantar em casa do Sanjeev (arroz, chapatis, papad, bolinhas de soja, papaia)

23:00- ...(insomnia???)

Sunday, January 15, 2006

Captain Jeypoore Posted by Picasa

Ilse Lieblich Losa 1913-2006


Invoco-te Matriarca
Confere-me os mistérios
Desta tradição de desterro

Destes encontros ocasionais
Fazem-se romances e
Gastronomias pouco ortodoxas

E compromissos entre

(A mala está sempre pronta).